SÁBADO, 23 DE SETEMBRO DE 2017
Untitled Document
26/11/2015 | Fonte: redação

Cone Sul - Chuva causa estragos, e Governo pode decretar situação de emergência nas cidades do sul do Estado

Chuva já causou diversos estragos em pelo menos 15 cidades no sul do MS – Divulgação

A chuva que causou diversos estragos em pelo menos 15 cidades no sul do Estado deve continuar atingindo a região nessa semana, de acordo com a Defesa Civil Estadual. A previsão é de mais água nos próximos dias. Em Sete Quedas, só em novembro, já foram registrados 367 milímetros de precipitação. O valor, atualizado até às 8 horas de ontem quarta-feira, corresponde a 98% do limite histórico para o período, que era de 185,4 milímetros. O Governo do Estado não descarta a possibilidade de decretar situação de emergência nas cidades afetadas.

Em situação também alarmante estão as cidades de Amambai, Juti e Itaquiraí, onde o volume de chuva está bem acima do esperado para o mês. Em Itaquiraí, a Defesa Civil já registrou 330 milímetros no acumulado de novembro. O número supera em 108,6% a precipitação máxima já historiada, que era de 158,4 milímetros.

“Por enquanto, 15 cidades (Tacuru, Juti, Amambai, Coronel Sapucaia, Sete Quedas, Paranhos, Jateí, Iguatemi, Naviraí, Ivihema, Caarapó, Fátima do Sul, Mundo Novo, Dourados e Eldorado) foram atingidas, mas se a chuva continuar, outras áreas, como a região sudeste do Estado, poderão sofrer com a chuva”, disse o coordenador adjunto da Defesa Civil, tenente- coronel Adriano Rampazo.

Em reunião com representantes da Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul), Defesa Civil, Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul) e Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul (Assomasul), que aconteceu na manhã de hoje, o chefe da Casa Civil, secretário Sergio de Paula, afirmou que o Governo do Estado dará todo suporte aos municípios, auxiliando no levantamento dos estragos.

Havendo necessidade, o Governo irá decretar situação de emergência nas cidades afetadas. Com essa determinação, os municípios, por intermédio do Governo, poderão solicitar do Governo Federal recursos para reconstruir os pontos atingidos.

“Vamos dar todo suporte necessário. A Agesul já enviou duas equipes que irão percorrer a região e a Sanesul também. A Assomasul foi instruída também a orientar municípios onde não há Defesa Civil para que o levantamento seja feito de forma correta”, explicou o secretário Sergio.

O prefeito de Tacuru, uma das cidades bem atingidas,  Paulo Pedro Rodrigues,  afirmou que vários pontos  estão totalmente destruídos, incluindo área rural e aldeias indígenas.

“Muitas pontes foram destruídas, algumas parcialmente e outras totalmente arrasadas. Esse ano a chuva superou as expectativas. Nunca vi nada igual”, disse.

As rodovias, MS-295, que liga Tacuru a Iguatemi, e a MS-160, entre Sete Quedas e Tacuru, também foram atingidas. Uma cratera foi aberta com a força da água no quilômetro 1 da MS-160  e no quilômetro 8 da  MS-295. “Uma casa também foi levada pela chuva e, além disso, o asfalto em vários pontos foi destruído”

COMENTE ESTA NOTÍCIA:
» NOTÍCIAS RELACIONADAS
Postada em: 22/09/2017 Oi assina acordo com China Telecom sobre possível investimento na empresa
Postada em: 22/09/2017 Agentes penitenciários param no domingo e suspendem visitas a presos
Postada em: 22/09/2017 Postos de combustíveis de MS terão de informar consumidor sobre valor do pagamento com cartão de crédito
Postada em: 22/09/2017 Governo Temer vai fazer enquete para decidir sobre fim do horário de verão
Untitled Document
Desenvolvimento: Luciano Dutra