SEGUNDA FEIRA, 25 DE MARÇO DE 2019
Untitled Document
19/12/2018 | Fonte: G1

Não culpem os imigrantes por tudo, diz Papa Francisco a políticos

Papa Francisco em audiência no Vaticano, em imagem de arquivo — Foto: Max Rossi/Reuters

O Papa Francisco criticou nesta terça-feira (18) líderes nacionalistas que culpam os imigrantes pelos problemas dos próprios países e fomentam a desconfiança na sociedade buscando ganho desonesto e promovendo políticas xenófobas e racistas.

"Discursos políticos que tendem a atribuir todo o mal aos imigrantes e a privar os pobres de esperança são inaceitáveis", disse o papa, que não mencionou qualquer país ou líder.

O pontífice de 82 anos, que fez da defesa dos imigrantes um pilar de seu papado, fez os comentários em sua mensagem para o Dia Mundial da Paz da Igreja Católica, em 1º de janeiro, que é enviada a chefes de Estado e de governo e a organizações internacionais.

O papa disse que os tempos atuais estão "marcados por um clima de desconfiança enraizado no medo dos outros ou de estrangeiros, ou na angústia a respeito da própria segurança pessoal".

Francisco disse ser triste que a desconfiança "também seja vista no nível político, em atitudes de rejeição ou formas de nacionalismo que criam dúvidas sobre a fraternidade de que nosso mundo globalizado tem tanta necessidade".

A mensagem chega em um momento no qual a imigração é uma das questões mais polarizadoras em países como Estados Unidos, Itália, Alemanha e Hungria.

Francisco já trocou farpas com o presidente norte-americano, Donald Trump, e o político italiano de direita, Matteo Salvini, por causa dos direitos dos imigrantes.

Na semana passada o papa elogiou o primeiro Pacto Global para a Migração da Organização das Nações Unidas (ONU), que estabelece objetivos para o aprimoramento da administração da migração.

Várias nações, inclusive EUA, Itália, Hungria e Polônia, não foram à reunião no Marrocos, enquanto o futuro chanceler do governo Jair Bolsonaro já anunciou que vai retirar o país do pacto.

'Beatitudes do Político'

Francisco denunciou uma lista de "vícios" de políticos que disse terem minado a democracia autêntica e atrapalhado a vida pública através de várias formas de corrupção.

Entre eles, incluiu a malversação de recursos públicos, o ganho desonesto, a xenofobia, o racismo, a falta de preocupação com o meio ambiente e a pilhagem de recursos naturais.

Ele propôs oito "Beatitudes do Político" --formuladas primeiramente pelo falecido cardeal vietnamita François-Xavier Nguyen Van Thuan-- como um guia para o comportamento daqueles que ocupam cargos públicos.

Estas, afirmou, estabeleceriam metas para políticos que, entre outras qualidades, deveriam ter uma compreensão profunda de seu papel, exemplificar pessoalmente a credibilidade, trabalhar pelo bem comum e realizar mudanças radicais.

COMENTE ESTA NOTÍCIA:
» NOTÍCIAS RELACIONADAS
Postada em: 24/03/2019 Após ataques a Moro, senadora de MS diz que Maia deve ter ‘insatisfação com Lava Jato’
Postada em: 24/03/2019 Para prevenção e controle de proliferação da dengue Prefeitura contrata novos agentes
Postada em: 23/03/2019 Procurador da República é acusado de avisar foragido sobre ordem de prisão
Postada em: 23/03/2019 Vereadora Lourdes quer adequação na cerca da área verde do Portinari
Untitled Document
Desenvolvimento: Luciano Dutra