SEGUNDA FEIRA, 19 DE NOVEMBRO DE 2018
Untitled Document
29/10/2018 | Fonte: G1

TSE manda produtores de Roger Waters apresentarem defesa em ação de Bolsonaro contra Haddad

Roger Waters durante show da turnê pelo no Brasil — Foto: Giuliano Gomes/PR Press

O ministro Jorge Mussi, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou que os produtores do show de Roger Waters, ex-integrante da banda Pink Floyd, no Brasil, apresentem suas defesas na ação proposta pela coligação do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) que pede a inelegibilidade do adversário, Fernando Haddad (PT).

Segundo a coligação de Bolsonaro, houve propaganda irregular em favor do petista durante shows do cantor. Segundo a ação, Roger Waters fez um "gigantesco show" em São Paulo, no qual veiculou no telão a mensagem "#ELE NÃO", que se tornou "instrumento de campanha negativa contra o candidato Jair Bolsonaro". Além disso, diz que houve manifestações políticas em shows em Brasília e Minas Gerais.

A ação pede que Haddad e a candidata a vice, Manuela D'Ávila (PCdoB), sejam declarados inelegíveis por oito anos.

O ministro determinou que os produtores do show e os candidatos apresentem suas defesas. Após a análise, o relator pode decidir se dá prosseguimento ou não à investigação.

Shows no Brasil

 

A campanha de Bolsonaro argumenta que as afirmações de Waters não foram "mera manifestação crítica e espontânea". "Não se tratou apenas de manifestação oral de opinião, mas, sim, de uma ação totalmente arquitetada e premeditada", diz a ação.

"As imagens nas quais o candidato Jair Bolsonaro é comparado com um dos grandes ditadores do mundo são de extrema gravidade e demonstram a premeditação e o explícito propósito de denegrir sua imagem e causar nos telespectadores/fãs uma forma de repulsa, pela evidente campanha negativa, o que não condiz com a realidade", diz ainda a coligação.

Para os advogados de Bolsonaro, "realizar uma turnê milionária de shows de um artista respeitado e reconhecido como Roger Waters, dar-lhe ampla guarida para showmícios em desfavor da campanha [de Bolsonaro], e fazê-lo em pleno período eleitoral, com especial ênfase no 2º turno, é abuso do poder econômico e desvio de recursos não declarados para campanha eleitoral, portanto, caixa 2".

COMENTE ESTA NOTÍCIA:
» NOTÍCIAS RELACIONADAS
Postada em: 13/11/2018 Banda Cachorro Grande anuncia parada após turnê de despedida
Postada em: 13/11/2018 Criador dos heróis da Marvel, Stan Lee morre aos 95 anos
Postada em: 13/11/2018 Susana Vieira está com leucemia há três anos; doença está estabilizada
Postada em: 12/11/2018 Kevinho posta mensagem após ferimento no rosto: 'Obrigado pelo livramento'
Untitled Document
Desenvolvimento: Luciano Dutra