SEGUNDA FEIRA, 19 DE NOVEMBRO DE 2018
Untitled Document
23/10/2018 | Fonte: G1

Brasil conquista quatro ouros e uma prata em olimpíada latino-americana de astronomia

Caio Nascimento, Katarine Klitzke, Luã Souza, Vinicius Rodrigues e Gabriel Gandra conquistam medalhas em competição de Astronomia e Astronáutica — Foto: Júlio Klafke/Divulgação

Jovens estudantes que representavam o Brasil ganharam quatro medalhas de ouro e uma de prata na 10ª Olimpíada Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica (OLAA), realizada entre 10 e 20 de outubro, em Ayolas, no Paraguai.

As medalhas de ouro foram conquistadas pelos estudantes: Caio Nascimento Balreira, Katarine Emanuela Klitzke, Vinícius Rodrigues de Freitas, e Luã de Souza Santos. A medalha de prata ficou com Gabriel Gandra. No quadro geral de medalhas, a delegação brasileira ficou em primeiro lugar.

Com este resultado, nas 10 olimpíadas, o Brasil conquistou ao todo 30 medalhas de ouro, 16 de prata e 4 de bronze, se tornando o maior medalhista da história da competição.

A olimpíada latino-americana é a única modalidade internacional a realizar provas em que alunos de diferentes países são avaliados também em grupos multinacionais. Além disso, é a única olimpíada que obriga que os grupos sejam de ambos os gêneros. Em 2019, a OLAA será no México.

 

Desafios da competição

 

As provas da olimpíada foram divididas em parte teórica, que mescla as delegações, prática e de reconhecimento do céu, que envolve o manuseio de um telescópio. Em uma das provas, os estudantes têm que construir foguetes de garrafas PET impulsionados a água pressurizada, o foguete que voar mais longe ganha.

 

Deleção brasileira

 

Os jovens brasileiros foram selecionados dentre mais de 700 mil alunos do ensino fundamental e médio que participaram da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astrofísica (OBA).

Para competir, é preciso obrigatoriamente ter uma boa pontuação na OBA para, em seguida, participar de provas seletivas online. Depois, se classificado, o estudante faz um exame presencial.

Aqueles que forem escolhidos passam por treinamentos com astrônomos e especialistas, na cidade de Vinhedo, no interior de São Paulo, junto ao Observatório Astronômico Abraão de Morais, da USP. Eles aprenderem a usar telescópios e também a construir e lançar foguetes de garrafas PET.

COMENTE ESTA NOTÍCIA:
» NOTÍCIAS RELACIONADAS
Postada em: 13/11/2018 Bolsonaro admite conversa com Mandetta para Ministério da Saúde
Postada em: 05/11/2018 Alexandre Nardoni obtém parecer favorável para ir ao semiaberto
Postada em: 04/11/2018 Horário de verão começa neste domingo em 10 estados e no DF
Postada em: 04/11/2018 Portões do Enem abrem às 11 horas para 72,3 mil candidatos em MS
Untitled Document
Desenvolvimento: Luciano Dutra