SEGUNDA FEIRA, 19 DE NOVEMBRO DE 2018
Untitled Document
23/08/2018 | Fonte: ASSESSORIA E COMUNICAÇÃO

Quando os implantes ficam visíveis na boca?

Foto: Divulgação

Por que os meus implantes são visíveis?

Os implantes ficam visíveis quando não estão circundados por ossos e a gengiva está em contato direto com o implante, ou seja uma gengiva fina e delgada (baixa e sem volume). Implantes visíveis interferem na estética do seu sorriso, podem provocar complicações como, por exemplo, uma lesão mecânica do tecido ou inflamações.

Podem perder a estabilidade, o que causa problemas na mastigação e ter perda gengival em altura e espessura reduzido tempo de vida útil. 

Como estes defeitos ósseos podem ser tratados?

Há duas situações clínicas em que os implantes podem ficar visíveis: o defeito ósseo é visível através de uma “janela” ou a parte exterior do implante não é circundada por ossos e apresenta um defeito semelhante a uma cratera.

Se a perda óssea não está relacionada com uma infecção (peri-implantite), a restauração óssea pode ser realizada com biomateriais , sem que o implante tenha que ser removido.

Se a perda óssea ocorrer devido a uma infecção, será necessário eliminar a inflamação em forma de uma placa bacteriana da superfície do implante, antes de iniciar a restauração do osso e do tecido mole.

 Recessão gengival x enxerto gengival

 O enxerto gengival pode ser essencial para recuperar a estética e função em procedimentos com implantes osteointegrados. Conheça um pouco mais sobre o tratamento com enxertos de gengivas para harmonizar e melhorar o resultado de diversos procedimentos em odontologia.

 Enxerto gengival, cada vez mais essencial nos tratamentos estéticos em odontologia.

 A reconstrução de gengivas retraídas ou atrofiadas é um procedimento cirúrgico sofisticado mas que pode ser imprescindível para recuperar a harmonia do sorriso. E para que os resultados destes procedimentos sejam efetivos e duráveis, enxertos de gengivas coletados do próprio paciente ou provenientes de fontes biológicas manipuladas podem ser necessários ao tratamento. 

O fato é que a cirurgia plástica gengival há muito deixou de ser um procedimento apenas para corrigir a recessão gengival. Em determinadas situações, ela pode ser a única opção para corrigir falhas estéticas e funcionais em tratamentos com próteses dentárias, laminados cerâmicos e até mesmo implantes osteointegrados. Mas para que tudo dê certo, é preciso estar atento a alguns detalhes para evitar frustrações com os resultados de procedimentos com enxertos gengivais. 

Pós-operatório é simples mas exige delicadeza nos cuidados.

 O pós-operatório da cirurgia plástica gengival com enxertos é simples mas exige delicadeza e atenção do paciente submetido ao tratamento. Isso porque, nesta técnica, os cuidados para não deslocar o tecido gengival enxerto são até mais importantes do que a técnica cirúrgica adotada. 

Os cuidados pós-operatórios restringem a movimentação excessiva dos lábios por até sete dias, o mesmo período em que a limpeza do local operado é realizada pelo dentista no consultório dentário – duas consultas já bastam. Restrições à dieta rica em alimentos rígidos são recomendadas às duas primeiras semanas pós cirurgia, periodo a partir do qual  a escovação normal e habitual já pode ser retomada sem riscos. 

Tempo de recuperação e cicatrização. 

Desconforto pós-operatório nas áreas de coleta de gengivas ou tecido conjuntivo são frequentes – a região receptora raramente é associada a dor neste período. A suspensão de atividades profissionais e sociais pode ser solicitado por até 7 dias, dependendo da extensão, local e tipo de enxerto gengival utilizado. 

O tempo de cicatrização dá-se em duas fases diferentes. Nos 21 primeiros dias, as alterações inflamatórias locais já são imperceptíveis e a partir 45 dias passados da cirurgia gengival já não há mais evidência de processos cirúrgicos realizados. 

Enxerto gengival combinado a enxerto ósseo: recuperando falhas estéticas severas.

 Os tratamentos odontológicos com enxertos ósseos têm, na maioria das vezes, objetivos funcionais. Aumentos na altura e espessura do osso disponível para ancoragem de implantes dentários são procedimentos frequentes e que também podem ser utilizados para recuperar implantes dentários com perda óssea severa. Mas é a combinação de técnicas com enxertos a que vem ganhando destaque nos tratamentos odontológicos de alto impacto. 

Dr. Giuliano Guilherme de Lima - CRO/MS - 3583

- Cirurgião Dentista

- Especialista em Implantodontia

- Especialista  em Endodontia

- Especialista em Radiologia

- Pós graduado em Cirurgia

Tel: (67) 3461 3399

www.cliron.com.br

facebook/clinicacliron

COMENTE ESTA NOTÍCIA:
» NOTÍCIAS RELACIONADAS
Postada em: 01/11/2018 Por que meus dentes permanentes estão ficando moles?
Postada em: 25/10/2018 Um terço dos implantes dentários do país é produto de pirataria
Postada em: 13/09/2018 O uso do Microscópio na Odontologia
Postada em: 06/09/2018 Dias 15 e 22 campanhas vacinação antirrábica na zona rural de Naviraí
Untitled Document
Desenvolvimento: Luciano Dutra