SEGUNDA FEIRA, 22 DE OUTUBRO DE 2018
Untitled Document
06/06/2018 | Fonte: FolhaPress

Alckmin perde a paciência e pergunta se tucanos querem outro candidato

Foto: Mauro Pimentel/AFP

Pressionado a deslanchar sua pré-campanha ao Planalto, Geraldo Alckmin perdeu a proverbial paciência beneditina.

Cobrado por lideranças do PSDB sobre falta de coordenação nessa etapa da corrida, o ex-governador paulista jogou um guardanapo sobre a mesa e perguntou aos presentes se eles preferiam ter outro candidato —e, nesse caso, disse para que eles o escolhessem.

A cena ocorreu, durante jantar em um hotel do bairro paulistano dos Jardins, na noite de segunda (4). Estavam presentes diversos expoentes do tucanato, como os ex-governadores Marconi Perillo (GO) e Beto Richa (PR), os líderes de bancada Paulo Bauer (Senado) e Nilson Leitão (Câmara), o ex-ministro Bruno Araújo (PE), o ex-senador José Aníbal (SP) e o coordenador de campanha Samuel Moreira.

No cardápio, menos a conhecida inanição das intenções de voto do tucano (que patina pouco abaixo dos 10% nas pesquisas) e mais o diagnóstico consensual no partido de que a pré-campanha está com problemas organizacionais.

Alguns dos presentes relataram situações estaduais sem encaminhamento e o que consideram um problema crônico de comunicação. Foi a famosa "lavagem de roupa suja", mas segundo a reportagem apurou, com o comedimento típico das reuniões com Alckmin e com tom propositivo por parte dos presentes.

Alguns dos presentes relataram situações estaduais sem encaminhamento e o que consideram um problema crônico de comunicação. Lideranças tucanas de fora de São Paulo vêm se queixando, há meses, da falta de interlocução com Alckmin —que designou nomes com pouca densidade nacional para representá-lo, o trio Sílvio Torres, Luiz Felipe D´Ávila e o próprio Moreira.

O ex-governador ouviu até explodir, dando um susto nos comensais. Elevou a voz, fez o discurso em que sugeriu que escolhessem outro nome para a vaga de presidenciável e na sequência os admoestou. Disse que todos sabiam exatamente qual o trabalho que deveriam fazer e que não lhe caberia indicar nomes para todas as tarefas.

O encontro seguiu, mais ameno, mas todos foram embora convencidos de que Alckmin está inusualmente nervoso com a pressão que recebe. Alguns temem que ele acabe desistindo da candidatura, sucumbindo à adversidade, enquanto outros insistem justamente no contrário: que sua reação indica que ele irá até o fim na disputa.

Entre os últimos, a dúvida que fica é se a tática alckmista de “jogar parado” irá enfim prevalecer por atrair de forma natural forças centristas ou se é apenas a senha para mais uma derrota nacional.

O tucano tem defendido, em público e em privado, que o momento atual é de muita especulação e que a campanha realmente só começa com o início do horário eleitoral na TV em agosto. Até lá, acredita que patinará no segundo pelotão das pesquisas eleitorais e advoga paciência dos correligionários.

Ele crê que o líder Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT) irão perder fôlego e que o nome que o PT deverá indicar no lugar de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que pela lei estará inelegível além de preso, irá crescer e polarizar novamente com o PSDB.

Nem todos na mesa concordam com a avaliação, mas todos disseram que é necessário azeitar melhor o comando político da pré-campanha, em especial a relação com siglas aliadas, potencialmente aliadas e na costura de palanques estaduais.

Isso daria a chamada organicidade ao trabalho, em especial num momento em que políticos que se dizem de centro divulgam um manifesto em favor de união de candidatos para evitar os extremos representados por Bolsonaro e Ciro, por exemplo. Não passou despercebido aos comensais que o patrono do tucanato, Fernando Henrique Cardoso, é um dos idealizadores do texto lançado nesta terça (5).

Outro ponto que vem sendo observado nas hostes tucanas é a questão econômica. Com o agravamento da percepção de crise a partir do travamento da recuperação, da subida do dólar e da paralisação dos caminhoneiros, há a ideia de que um candidato experiente como o ex-governador possa adotar um discurso que transmita confiança à população.

Na mão contrária dessa leitura, o fato de que a crise está na mão de um governo que habita a mesma faixa política que o tucano e apoiou suas medidas. Com isso, os beneficiários imediatos são a esquerda, mesmo com o peso da recessão surgida no governo do PT, e o salvacionismo associado a Bolsonaro.

COMENTE ESTA NOTÍCIA:
» NOTÍCIAS RELACIONADAS
Postada em: 22/10/2018 Toffoli, Moraes e Celso de Mello reagem à fala de Eduardo Bolsonaro sobre fechamento do STF
Postada em: 22/10/2018 Reunião define prazo para regularização de casas do “Beira Rio” em Naviraí
Postada em: 22/10/2018 Abstenção em MS elegeria nove vezes o deputado eleito menos votado no Estado
Postada em: 18/10/2018 Fi da Paiol reivindica base da Policia Militar Rodoviária Estadual
Untitled Document
Desenvolvimento: Luciano Dutra