QUINTA-FEIRA, 24 DE MAIO DE 2018
Untitled Document
22/04/2018 | Fonte: CAMPO GRANDE NEWS

Corte no consumo já atinge até o setor de alimentação em Mato Grosso do Sul

Tradicionalmente mais protegido, o segmento também foi impactado pelas adversidades econômicas
Indústria de alimentos de Campo Grande; setor também foi impactado pela retração econômica (Foto: Paulo Francis)

O setor da alimentação já aparece no cardápio da crise. O corte no consumo foi tão profundo que feriu a velha máxima segundo a qual “as pessoas podem reduzir vários gastos, mas não deixam de comer”. “O setor vem sofrendo como todos os outros. A expansão é menor e muitas empresas fecharam as portas”, nota o empresário Sandro Mendonça, presidente do Siems (Sindicato das Indústrias de Alimentação de Mato Grosso do Sul).

A desaceleração no ritmo de crescimento da cadeia da alimentação pode ser dimensionada pelos números do mercado de trabalho. Em três anos, as empresas de serviços na área de alimentos fecharam 4.349 empregos formais em Mato Grosso do Sul, conforme o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

Em 2015, ano em que foi intensificada a crise econômica do País, foram extintos 971 vagas no setor no estado. Em 2016 e 2017, os saldos continuaram negativos e foram, respectivamente, de -277 e -3.101 postos de trabalho.

Embora menos crítico, o cenário de empregos na indústria de alimentação também contabiliza números mais modestos nos últimos anos. Depois de encerrar 2014 com saldo de 1.882 novos empregos, o setor extinguiu, no ano seguinte, 971 vagas em Mato Grosso do Sul. Em 2016 (122 postos) e 2017 (655), os resultados foram positivos, mas continuaram abaixo do período anterior à intensificação da crise econômica.

A redução do quadro de funcionários é um dos efeitos da queda do consumo. “As pessoas estão comprando menos, inclusive alimentos. Até mesmos os básicos, como carne, estão sendo menos consumidos”, observa Sandro Mendonça.

A avaliação do empresário se contrapõe, aparentemente, aos valores totais do setor. A indústria da alimentação do estado faturou, em 2017, R$ 12,9 bilhões, de acordo com a Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul). O montante é 9,38% maior que os R$ 11,8 bilhões contabilizados em 2016.

Sandro Mendonça comenta que esse crescimento é puxado pelas grandes indústrias e não pelo setor como todo. “É por causa das multinacionais”, observa, reforçando que a maioria das empresas enfrenta dificuldades. “As que estavam muito bem antes da crise, estão se mantendo; as que estavam mais ou menos, estão se segurando para continuar funcionando; as que estavam mal, fecharam as portas”, afirma.

COMENTE ESTA NOTÍCIA:
» NOTÍCIAS RELACIONADAS
Postada em: 23/05/2018 Inscrições de concurso de prefeitura com 201 vagas se encerram no dia 4
Postada em: 20/05/2018 Casa pega fogo em Dourados, MS, e mãe e filho ficam feridos
Postada em: 12/05/2018 Reinaldo autoriza concurso com 1,5 mil vagas para a Educação de MS
Postada em: 11/05/2018 Naviraí vai ensinar Xadrez nas escolas para melhorar desempenho dos alunos
Untitled Document
Desenvolvimento: Luciano Dutra