QUARTA-FEIRA, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
Untitled Document
02/08/2017 | Fonte: MIDIAMAX

Advogado de Temer diz que denúncia contra presidente é um 'nada jurídico'

Mariz de Olveira afirmou que denúncia não possui provas suficientes
Divulgação

O advogado do presidente Michel Temer (PMDB), Antônio Mariz de Oliveira, afirmou que a denúncia apresentada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) não será acatada pela Câmara. Segundo o jurista, a denúncia seria vista no STF (Supremo Tribunal Federal) com um "nada jurídico".

Mariz de Olveira disse que a denúncia não possui provas suficientes para ser aprovada, e que as acusações de corrupção passiva que pesam contra o peemedebista ocorreram a partir de "suposições e hipóteses" do procurador-Geral da República, Rodrigo Janot.

O advogado afirmou que o MPF (Ministério Público Federal) tem o dever de promover a justiça, mas não pode estar "acima do resto". Ele defendeu o órgão, ao mesmo tempo que criticou os "homens que falam pela instituição".

Mariz também condenou o fato da denúncia contra Temer se basear na gravação de suas conversas com o executivo da JBS, Joesley Batista. Segundo ele, a gravação foi "clandestina, subterrânea", e do "submundo da coleta de provas", por não ter sido autorizada pela Justiça.

A defesa do presidente ainda afirmou que Temer "jamais cogitou" de receber a mala de dinheiro entregue por executivos da JBS ao deputado Rocha Loures (PMDB), pois é um "homem de bem", "honesto". "Quando o presidente da República recebeu algum níquel?". perguntou o advogado. 


O advogado também afirmou que é necessário mais um ano e meio para que o presidente Temer termine sua "obra magnífica" no governo. "Não pode esperar um ano e meio?", afirmou. Ele disse ainda que a denúncia tem provocado a "sangria da nação" e a "sangria da dignidade, da honra de um homem de bem".

COMENTE ESTA NOTÍCIA:
» NOTÍCIAS RELACIONADAS
Postada em: 05/12/2017 Lula diz que será candidato à presidência e promete sair vitorioso
Postada em: 29/11/2017 Marun prevê fim da CPI da JBS nos próximos dias, mas quer ouvir Janot
Postada em: 29/11/2017 Justiça da Bolívia libera Evo Morales para concorrer a quarto mandato
Postada em: 22/11/2017 Moro diz que Rio é 'exemplo mais visível' de corrupção sistêmica no País
Untitled Document
Desenvolvimento: Luciano Dutra