TERÇA-FEIRA, 19 DE JUNHO DE 2018
Untitled Document
13/05/2017 | Fonte: CORREIO DO ESTADO

Estado culpa crise financeira por falta de repasse à Previdência

Governo não transfere recursos ao fundo previdenciário desde outubro de 2016
A falta de repasses ao fundo previdenciário prejudica as futuras aposentadorias dos servidores - Foto: Gerson Oliveira

Alegando estar sofrendo efeitos da crise econômica, o governo de Mato Grosso do Sul admitiu estar devendo o fundo previdenciário desde outubro do ano passado. O repasse não realizado soma R$ 34 milhões, entre outubro de 2016 e abril deste ano. 

O secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov), Eduardo Riedel, afirmou que os recursos serão repassados ao fundo até junho, quando vence a certidão negativa de débito previdenciário, que é exigida pelo Ministério da Fazenda para que repasses federais sejam realizados aos estados.

Em nota, a assessoria de imprensa do governo confirmou o reconhecimento de débito “por força da crise financeira”. Riedel ponderou, no entanto, que “é algo que a gente tem que pagar, não tem como deixar de pagar”.

Contudo, cada mês não depositado representa perdas no que se refere aos rendimentos do fundo – que deve render, por ano, o porcentual da taxa Selic mais 6%. Riedel se comprometeu a pagar o valor cheio e negociar os juros do atraso. 

O presidente do Conselho Estadual de Previdência (Conprev/MS), Francisco Carlos de Assis, explica que o problema no atraso desse repasse – cuja fonte é a contribuição dos servidores, com 11% descontados de seus salários e 22% encaminhados pelo governo –, é que acaba prejudicando as metas de aplicação do fundo previdenciário, o que gera prejuízo ao servidor.

COMENTE ESTA NOTÍCIA:
» NOTÍCIAS RELACIONADAS
Postada em: 06/06/2018 STJ autoriza recolhimento da carteira de motorista para pressionar réu inadimplente a regularizar débitos
Postada em: 06/06/2018 Passa de 190 o número de desaparecidos por causa do Vulcão de Fogo, na Guatemala
Postada em: 06/06/2018 Governo reduz previsão e passa a estimar salário mínimo abaixo de R$ 1 mil em 2019
Postada em: 06/06/2018 Frio deve atrasar início da colheita do algodão na região norte de MS
Untitled Document
Desenvolvimento: Luciano Dutra